Tempo de leitura: 3 minutos

Entre clássicos e obras mais recentes que também merecem o devido reconhecimento, de certeza que já tens definida a tua lista de filmes preferidos. Mas se ainda houver espaço para mais, fica com oito filmes que tens de ver pelo menos uma vez na vida. 


“O Show de Truman”, 1998 

O que à partida parece uma simples crítica aos reality shows, depressa percebemos que é um filme recheado de metáforas e simbolismos. Emblemático e inteligente, faz-nos repensar se não estaremos também nós presos a um universo onde estamos demasiado confortáveis para procurar sair — talvez porque a realidade seja assustadora demais. 

Provavelmente vais terminar este filme com um sentimento de paranóia, mas mais do que isso um sentimento de reflexão. 

 

“Joker”, 2019 

Depois do sucesso que foi Heath Ledger como Joker em “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, dificilmente pensamos que nos voltaríamos a apaixonar por uma performance desta personagem. Mas a verdade é que Joaquin Phoenix não prometeu nada e acabou por entregar tudo.  

O filme conta não só a história sobre a origem de um dos maiores vilões da ficção, mas foca essencialmente na forma como a sociedade permanece incapacitada de lidar com as doenças mentais.

 

“Clube de Combate”, 1999

A luta acaba por ser interna quando a violência se torna uma forma de terapia. 

De um lado, temos os defensores de que este é um filme cujo propósito é propagar violência de forma gratuita. Do outro, os adeptos de que este é um filme com um significado profundo e com uma crítica à sociedade consumista e individualista.

 

 

“Parasitas”, 2019

Um filme sul coreano de inegável sucesso que veio mostrar o que de melhor há fora da bolha de Hollywood a que estamos tão habituados. “Parasitas” é uma sátira social que retrata as diferentes classes sociais na Coreia do Sul. Começa por parecer uma comédia, mas, à medida que a história se vai desenrolando, envolvemo-nos numa tragédia familiar à qual fica difícil ficar indiferente. 

 

 

“América Proibida”, 1998

Este filme tem, desde o princípio, a coragem de retratar de forma nua e cruel uma América que é, ainda hoje, profundamente marcada pelo racismo. Uma história que, por mais que os anos passem, continua bastante atual, onde é retratado o ódio racista fomentado por uma sociedade separatista e uma educação preconceituosa.

 

 

“A Origem”, 2010 

Um filme que mistura ficção científica, espionagem, ação e drama. Tudo isto enlaçado no simples enredo de implantar uma ideia na mente de uma pessoa — que não é nada mais nada menos do que o herdeiro de um império. E mais não dizemos. Vais ter mesmo de ver este filme. 

 

 

“O Náufrago”, 2000 

Uma história que nos deixa na expectativa sobre o desfecho de uma situação trágica, “O Náufrago” é um filme com diversos momentos sem qualquer diálogo. O que nos faz não querer tirar os olhos do ecrã é mesmo o talento de Tom Hanks, que desempenha neste filme um dos seus melhores papéis.

 

 

“Foge”, 2017 

Sai do tipo de argumento a que estamos habituados nos filmes de sucesso. Na verdade, não é todos os anos que encontramos obras de terror como esta. 

O filme destaca-se pela forma como coloca uma mensagem de racismo, que se vai desenrolando ao longo do filme, no meio das linhas de suspense que o suportam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.