Tempo de leitura: 2 minutos

Há bolsas de estudo que se destinam a comparticipar os teus encargos universitários. A candidatura é feita online, mas sabes como o fazer?

Foram criadas para ajudar quem não tem como pagar as propinas e são atribuídas anualmente pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. No entanto, para teres direito, tens de concorrer a estes apoios financeiros e entregar alguns documentos que ajudam a comprovar que precisas desta ajuda. 

Estamos a falar de bolsas de estudo, que servem para comparticipar os encargos financeiros que tenhas (ou venhas a ter) com a universidade. 

E não, não são atribuídas a qualquer estudante. Neste caso, destinam-se apenas a estudantes que estejam inseridos num agregado familiar que não se mostre capaz de arcar com estas despesas de educação.

“Posso candidatar-me a uma bolsa de estudo?”

Todos os alunos que se tenham candidatado ao ensino superior ou que já estejam matriculados numa licenciatura ou num mestrado podem candidatar-se a este apoio financeiro. 

No entanto, precisas de preencher alguns requisitos para poderes ser bolseiro. Sendo que este é um apoio financeiro só pode ser atribuído a quem conseguir comprovar que tem dificuldades financeiras e que, por isso mesmo, não pode suportar os custos de um curso superior. 

Em termos práticos, podes ter acesso a bolsa de estudo se:

  • Tens uma situação tributária e contributiva regularizada (leia-se manter boas relações com as finanças e ter tudo o que tem de ser pago em dia)
  • Estás inscrito em, pelo menos, 30 créditos
  • Tens um património mobiliário (em conjunto com o teu agregado familiar) que não seja 240 vezes superior ao valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS) (atualmente são 428,90 euros)
  • Tens (em conjunto com o teu agregado familiar) um rendimento anual per capita que seja igual ou inferior a 16 vezes o IAS

E, sim, tens de reunir uma (longa) panóplia de documentos, mas não desesperes. Reunimos tudo aquilo de que vais precisar para preencher corretamente a tua candidatura:

  •  Cartão de cidadão, número de contribuinte e número da segurança social
  • IBAN (para onde te vão enviar o dinheiro)
  • Declaração de IRS, código de validação ou declaração das finanças que mostres que estás isento, se for o caso
  • Documento que comprove o valor do mobiliário, documento de IMI, cadernetas prediais (os teus pais vão saber o que é, não te preocupes)
  • Declaração de modelo 22 do IRC e certidão de registo comercial atualizada de todas as sociedades ou quotas que possas ter

Neste sentido, não te esqueças de que existem prazos de candidatura que deves ter em conta sendo que estes podem variar consoante a data de início do ano letivo, por isso deves consultá-las atempadamente. 

Quando te candidatares à bolsa pela primeira vez, precisas de pedir um código de utilizador e uma palavra-passe para te inscreveres na plataforma BeOn, dentro do site da DGES, já que todo o processo é feito através deste site.

Se já foste bolseiro no ano letivo anterior, o processo é muito mais simples: só tens de revalidar as informações que já estão no site, caso não existam mudanças na tua situação financeira. 

Por outro lado, se já és aluno do ensino superior, mas nunca te candidataste a uma bolsa, só tens de pedir as tuas credenciais de acesso à plataforma nos Serviços de Ação Social ou no Gabinete de Ação Social da tua faculdade.

Para mais informações basta consultares o site da DGES ou, ainda, os serviços académicos da tua faculdade.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.