Tempo de leitura: 2 minutos

Sim, apostar em mais anos de escolaridade ainda se reflete numa maior probabilidade de arranjares emprego e obteres um melhor salário. No entanto, vale menos agora do que na altura dos teus pais, diz estudo.

Gulbenkian conclui que cada ano a mais de estudo sobe os salários dos jovens em 4,8%, metade do que se verificava em para os nascidos nos anos 40 – que é como quem diz na altura dos teus avós ou até dos teus pais, já que a tendência tem sido decrescente.

Respondendo à questão inicial, sim, continua a compensar estudar mais anos, não só em termos de empregabilidade como também de ordenados. Mas os ganhos salariais, em termos relativos, são cada vez menores se comparados com a geração dos teus pais ou mesmos dos teus avós, conclui o mesmo estudo, citado pelo jornal “Observador”.

Que, por exemplo, realça que quando a geração de 40 estava no mercado de trabalho, cada ano adicional de escolaridade refletia-se num aumento salarial médio de 9,7%.

As conclusões, que constam no estudo “A Equidade Intergeracional no Mercado de Trabalho em Portugal”, da Fundação Calouste Gulbenkian, refletem que há “uma tendência pronunciada de redução do prémio salarial da educação, nomeadamente entre as gerações nascidas nos anos 90 (um prémio de pouco mais de 4,8%), lê-se no estudo assinado por Pedro Silva Martins, economista e professor na Nova SBE.

“Nesta abordagem de rendimentos totais ao longo da carreira de cada trabalhador, a quebra do prémio salarial verifica-se quase exclusivamente para a geração nascida nos anos 90, com valores entre 6 a 7% (em vez de perto de 5%)”, pode ler-se na mesma publicação.

Ainda assim, é oficial: “estes resultados confirmam a perspetiva anterior de que uma das vantagens é aumentar a probabilidade de emprego, além de aumentar o salário entre aqueles que estão empregados”.

Em termos práticos, sim, estudar mais (ainda) é sinónimo de uma maior probabilidade de arranjares emprego e, consequentemente, de ganhares mais dinheiro. No entanto, as estatisticas são claras: a escolaridade têm vindo a perder valor.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.