Tempo de leitura: 2 minutos

 O Estudo foi feito pela seguradora britânica CIA Landlords e coloca a cidade de Lisboa no top 3 de cidades mais caras para se viver. A tese comparou rendimentos médios, com custos e vida e o valor médio de um apartamento em 56 cidades do mundo.

 

Que viver em Lisboa é difícil e não dá para todas as carteiras, já todos sabíamos. O custo de vida está cada vez mais alto e as rendas tornam-se insuportáveis. Por sua vez, os salários permanecem estagnados e não acompanham esta evolução exponencial.

Se, por um lado, Lisboa é a cidade portuguesa das grandes oportunidades, por outro está cada vez mais difícil de as agarrar. Para quem vem fora, a procura de casa ou mesmo de um quarto é impensável quando as ofertas são de valores descomunais por um espaço de meia dúzia de metros quadrados. Para quem está dentro, sair de casa dos pais também parece cada vez um cenário hipotético.

Mas, se dúvidas (ainda) houvesse, o mais recente estudo da seguradora britânica CIA Landlords, publicado em março, vem arrasá-las a todas. “The Cost Of Living Crisis: How big is the gap between outgoing and incomings around the world?”, analisou 56 cidades do mundo e destacou Lisboa como a terceira mais cara. No que toca a maior discrepância entre salários e custo de vida, os lugares da frente são ocupados por Londres (Reino Unido), em segundo lugar, e Roma (Itália), em primeiro.

Contrariamente a este pódio as cidades mais baratas para se viver são Berna, na Suíça, Derby e Conventry, ambas no Reino Unido.

Enquanto em Lisboa o salário médio líquido é de 1.037€, a renda de um T3 ronda os 1.625€. Já o custo de vida por mês é cerca de 561€. Isto faz com que a expressão “o dinheiro não estica” se torne cada vez mais recorrente – porque não estica mesmo, e é cada vez mais difícil fazer com que dure até ao final do mês.

Etiquetas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.