Tempo de leitura: 1 minuto

É verdade. Aquela que é uma aldeia pacata no centro do país na grande maioria do ano, prepara-se para ser o centro da festa e acolher, mais uma vez, o Bons Sons.

 

Depois de uma pausa forçada de dois anos, a música e os concertos estão de volta às ruas, praças, largos e esquinas da aldeia de Cem Soldos, em Tomar. A 11ª Edição do Festival Bons Sons acontece de 12 a 15 de agosto e promete, mais uma vez, marcar pela aproximação de artistas ao público.

Aqui, a música salta dos palcos e habita nas ruas. Mas a proximidade das pessoas vai muito para além da relação entre artistas e público. É que para além desses momentos de ligação, em que não há obrigatoriedade de haver um palco físico, a população de Cem Soldos envolve-se na realização do festival e são os habitantes que acolhem os visitantes.

Neste pequeno – grande – festival há uma noção de partilha vivida intensamente ao longo de quatro dias. A música ecoa pelas ruas e a aldeia acolhe vários palcos perfeitamente integrados em todos os recantos, praças e largos.

Mais do que um festival, o Bons Sons é uma verdadeira experiência. É uma experiência que pretende ser também uma plataforma de divulgação de música portuguesa onde, para além de concertos, o público descobre projetos emergentes e reencontra músicas consagrados. A edição deste ano conta alguns nomes de destaque como Lena D’Água, Rui Reininho, B Fachada, A Garota Não – mas há muito mais.

 O valor de entrada no Bons Sons começa nos 25€ para o bilhete diário. Já o passe geral, que dá acesso aos quatro dias do festival, tem ainda acampamento incluído e custa 52€, se comprares até ao final de julho. Em agosto o valor sobe já para os 60€. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.