Tempo de leitura: 2 minutos

Para que importa um amigo que só está feliz quando também queres sair, e, nas alturas em que estás em baixo, não sente qualquer tipo de empatia por ti? 

Equilibrar a vida social com o sucesso escolar pode não ser algo fácil de conseguir logo à partida, mas a verdade é que, com o grupo certo de amigos (e adaptado a nós mesmos), esse objetivo torna-se facilmente alcançável. 

Todos já ouvimos dizer que os anos da faculdade são os melhores anos das nossas vidas, e que temos de aproveitar, mas tendo sempre a consciência de que estamos também a preparar o nosso futuro e a montar as bases para a nossa carreira profissional. Seja nos momentos das saídas à noite e das grandes festas, ou nos de maior stresse e ansiedade, como em época de avaliações, os amigos desempenham um papel fundamental para que consigamos ser e dar o nosso melhor, em todas as situações. Com um círculo realmente compatível connosco, somos naturalmente espontâneos em tudo o que fazemos.

Dentro das várias áreas que escolhemos, é fácil encontrar pessoas que se assemelhem a nós (afinal, partilham o interesse pelo mesmo curso), da mesma maneira que somos confrontados com pessoas com as quais não nos identificamos. Assim, tentar forçar relações com determinado grupo de pessoas para que as mesmas se integrem no nosso círculo não é o mais correto a fazer. Não nos podemos esquecer de que, nos momentos mais conturbados, queremos um amigo com o qual nos sintamos confortáveis para falar. Até porque, muitas das vezes, e especialmente durante o primeiro contacto com a universidade, a vida pode parecer um pouco solitária por estarmos muitas vezes longe de casa e das raízes que construímos durante anos. Para que importa um amigo que só está feliz quando também queres sair, e, nas alturas em que estás em baixo, não sente qualquer tipo de empatia por ti? 

A saúde mental é um tópico que continua a ser altamente discutido e não nos podemos esquecer da sua importância também durante a universidade. São as pessoas com as quais te sentes mais à vontade que, na maior parte dos casos, se tornam tuas confidentes e te ajudam a superar situações difíceis.

Por isso, este é o meu conselho: não forces o que não é para ti. É verdade que há pessoas que parecem ter um íman natural para atrair amigos (especialmente uns com os mesmos interesses), enquanto outros demoram um bocadinho mais até se conseguirem enquadrar onde se sentem bem. 

Mas devemos levar o nosso tempo e confiar no processo, dando um passo de cada vez, com a confiança de que algumas das pessoas que estão ao teu lado agora podem vir a acompanhar-te para o resto da tua vida, se forem certas para ti. 

Fantástico, não é? 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.