Tempo de leitura: < 1 minuto

O projeto é implementado com a ajuda da Universidade do Algarve (UAlg), financiado pelo programa Horizonte Europa e utiliza robôs marinhos para estudar o património cultural subaquático

 

THETIDA é o nome deste projeto levado pelo Centro de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Algarve. Conta com a participação de 17 instituições de oito países diferentes preparados para estudar e salvaguarda o património cultural subaquático.

Este projeto procura desenvolver novas tecnologias no estudo e proteção do património cultural subaquático e vai funcionar com diferentes plataformas e sensores. Quanto aos robôs marinhos, vão ser utilizados para localizar e mapear sítios arqueológicos e artefactos submarinos passíveis de serem estudados.

Para estudar, analisar e prever o comportamento do fundo mar e qual o efeito que este tem sob o património cultural existente vão ser utilizados modelos e fórmulas matemáticas de alta precisão.

O Centro de Ciência Viva do Algarve também incorpora este projeto e tem como principal objetivo dar a conhecer os resultados e conclusões à sociedade, em especial às camadas mais jovens. Esta é uma oportunidade de conhecer mais e melhor o património cultural subaquático da costa algarvia.

Irá acontecer no sítio arqueológico do bombardeiro “Liberator”, afundado na segunda guerra mundial ao largo de faro. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.